Amizade Nipo brasileira

Do mundo para Campo Grande
16 de junho de 2017
Evento da Uniderp oferece sete minicursos, sete palestras e dois debates com especialistas sobre produtos e serviços regionais
19 de junho de 2017

Amizade Nipo brasileira

Hoje é comemorado o Dia da Imigração Japonesa no Brasil e, para celebrar esta data tão especial, nada melhor do que relembrar um pouco da história do povo nipo brasileiro e de um dos pratos mais amados pelos campo-grandenses e que teve origem a partir dessa amizade cultural, o sobá.

Estima-se que sejam cerca de 1,6 milhões de descendentes japoneses no Brasil.  Mato Grosso do Sul é o terceiro estado com maior número de descendentes e, em Campo Grande, situam-se cerca de 70% deles, sendo que a maioria veio da ilha de Okinawa. Com uma tratado de amizade de mais de 120 anos, essa ligação rendeu muitos frutos, formou famílias e novas culturas.

Quando pensamos em culinária de imigração em Campo Grande é impossível não se lembrar do sobá. O prato é de origem direta de Okinawa e, desde que foi criado, era preparado com ovo, cebolinha, carne suína e macarrão!

O interesse dos brasileiros para com a iguaria partiu da curiosidade: viram os imigrantes comendo um macarrão diferente e, então, tiveram interesse em experimentar. Os nisseis começaram a vende-lo e o campo-grandense pegou gosto pelo prato.
O sobá de Campo Grande sofreu adaptações a partir da receita original do Okinawa Sobá, e adquiriu o status de bem cultural de natureza imaterial, por meio do decreto municipal n° 9.685, de 18 de julho de 2006 e foi tombado pelo IPHAN (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional).

Monumento do sobá da Feira Central. Foto: Divulgação Trip Advisor

A história do prato caminhou junto com a da “Feirona” de Campo Grande, fundada em 1925. No início, eram simples barracas montadas na calçada na rua Abrão Júlio Rahe, paralela a avenida Mato Grosso. Hoje, a “Feirona”, denominada oficialmente de Feira Central e Turística ocupa a Esplanada Ferroviária da Capital em um amplo espaço coberto que reúne 200 lojas de artesanato regional, de presentes e estandes de produtos hortifrutigranjeiros. O carro-chefe do espaço são os 28 restaurantes de sobá, que funcionam às quartas e nos finais de semana.

Feirona de Campo Grande no ano de 1990. Foto: Roberto Higa/Acervo Pessoal

O local realiza anualmente o Festival do Sobá em agosto e chega a movimentar 200 mil pessoas nos dias do evento. A festividade é animada com espetáculos de danças folclóricas de Okinawa e ganha toques de regionalidade com os  shows de música sertaneja.

Iniciativa SEBRAE/MS