fundo parallax

Com pratos e drinks que levam ouro, restaurante promete novas experiências na noite campo-grandense

5 lugares para você assistir a Copa e comer e beber bem em Campo Grande
14 de junho de 2018
Comer e Beber MS Cult: é fã de FRIENDS? Aprenda a fazer os cookies da avó da Phoebe
17 de junho de 2018

Uma experiência que reúne arte, gastronomia e moda. Essa é a proposta do Nô, o novo empreendimento do multifacetado Luis Pedro Scalise. Em sociedade com O pecuarista Etiene Cunha e a médica Dra.Tatiana Cunha, ele traz a Campo Grande mais uma atração que promete cair no gosto de quem ama novidades.

A ideia do restaurante nasceu das vivências do arquiteto e empresário em suas viagens ao Oriente Médio, onde também trabalha. Lá presenciou experiências gastronômicas e culturais incríveis e decidiu, ao lado de Tatiana, reproduzi-las no Brasil. O lugar escolhido foi Campo Grande, palco de tantos de seus empreendimentos. “Sou muito empreendedor e está no meu sangue essa vontade de ser pioneiro. A gastronomia sempre esteve ligada a mim desde que comecei, como no Pele Vermelha e no Século XV e em diversas casas em São Paulo nas quais sou sócio. Então, me perguntei, por quê não um restaurante como esses em Campo Grande?”, explica.

Para colocar o plano em prática, Scalise e Dra.Tatiana contam com a assessoria de uma consultoria do Oriente, que cuida desde a escolha do cardápio aos papéis de parede e outros pequenos detalhes do restaurante, passando até mesmo pelo treinamento da equipe que atenderá o público.

O cardápio, aliás, promete surpresas. Já pensou em poder comer ouro? No Nô isso vai ser possível. Tanto nos pratos quanto nos drinks, ouro em folha, em pó e em pepitas poderá ser degustado. “É uma técnica dos antigos egípcios. Eles acreditavam que comer ouro purificava o corpo e o espírito. Serviremos ouro 23 quilates, tanto do branco quanto do amarelo”, afirma Scalise que garante também que o Nô é o único restaurante no Brasil a servir ouro de forma permanente no cardápio.

Para quem gosta de drinks, a novidade é que a casa terá 30 deles exclusivos, elaborados por um barman premiado. Aliás, a palavra ‘exclusividade’ é destaque no Nô, além dos drinks, chocolates, sabores, aromas e até temperos foram criados com exclusividade para o restaurante. Um dos diferenciais é que será possível saborear champagnes saborizadas. “O cliente escolhe a marca de sua preferência e nós aromatizaremos com pétalas de flores também selecionadas por ele. É possível tomar uma Dom Perignon com cheiro de orquídeas e cravo, por exemplo, e isso não altera absolutamente nada o sabor, mas traz um aroma diferenciado”, conta.

Mistura - Scalise explica que Nô é um nome japonês que significa talento em abundância, uma mistura das artes, como a gastronomia, a música e o teatro. Além de ser um nome curto e com uma melodia diferente, o empresário acredita que ele consegue traduzir bem a experiência a qual o restaurante se compromete.

O Nô ficará em uma região privilegiada e tradicional da cidade, no Itanhangá Park e, além do restaurante, oferecerá ainda um espaço VIP, com capacidade para eventos com cerca de 40 a 50 convidados, acesso particular por elevadores, em um ambiente de total exclusividade.

A casa abrirá às quintas, sextas e sábados, mas estará aberta a eventos nos outros dias. Em seu cardápio, o destaque vai para a gastronomia franco-italiana, preparada por um chef de São Paulo, escolhido após seleções feitas por sua consultoria no Oriente.

Quem visitar o Nô, poderá ainda ter acesso a uma experiência de moda com grandes nomes internacionais. Para se ter uma ideia, os papéis de parede e tapetes levam assinatura da Chanel, os mantôs da área externa são Gucci e Louis Vuitton, os porta-guardanapos são Givenchy e a casa oferece até mesmo uma carta de óculos da Gucci, caso o cliente esqueça de levar os seus para o restaurante. “Essa é uma maneira de levar a moda para nossa casa. Além de também servirmos sobremesas da Louis Vuitton, Chanel e Gucci”, conta Scalise.

A música fica por conta de um quarteto de músicos profissionais tocando piano de corda, violino, saxofone e flauta e, ainda se revezando em outros instrumentos, como o violoncelo e o piston.

O Nô ainda passa por testes de cardápio e treinamentos para o atendimento da casa, mas promete abrir as portas em breve, para os amantes da noite-campo-grandense.

Evelise Couto
Evelise Couto
Jornalista por formação e por paixão, atua desde 2011 em redações e assessorias de imprensa. Sempre atenta a novidades, é apaixonada por literatura, cultura pop e gastronomia, além de adorar descobrir novos lugares por onde passa. Produção de conteúdo e social media também fazem parte de seu dia a dia.

Iniciativa SEBRAE/MS